Página inicial Busca detalhada Anuncie Fale conosco

Notícias



8/12/2011 - Mercado imobiliário não vai conseguir manter preços altos em 2012.

SÃO PAULO – O mercado imobiliário chega a um momento de inflexão na curva de crescimento, iniciada há cerca de quatro anos, avalia o presidente da Bueno Netto Empreendimentos, Adalberto Bueno Netto. Ele avalia que, em 2012, os consumidores já não estarão mais dispostos a pagar os elevados preços praticados pelo mercado imobiliário.

Durante a mesa-redonda com o tema “Perspectivas para o Brasil em 2012 e Tendências do Setor Imobiliário”, realizada nesta quarta-feira (7) pela Fiabc/Brasil (edição brasileira da Federação Internacional das Profissões Imobiliárias), em parceria com a Secovi-SP (Sindicato da Habitação), Netto afirmou que o mercado consumidor já começou a dar sinais de que não pretende sustentar mais os elevados preços das casas. Desta forma, acredita que as empresas não vão conseguir continuar praticando preços altos.

Valorização dos insumos
Durante seu discurso, Netto explicou que, do lado das construtoras, o cenário não é otimista. Todos os principais insumos do setor, como terras, materiais de construção e mão de obra vêm apresentando aceleração nos preços.

No caso dos terrenos, os preços chegaram a valorizar 300% nos últimos quatro anos, pontua Netto, ressaltando que não espera queda dos valores para os próximos anos. Ele cita os preços dos terrenos na periferia, que há quatro anos custavam R$ 300 o metro quadrado e hoje já são comercializados por R$ 1 mil.

A mão de obra também segue pressionando os custos das construtoras, desde os profissionais mais qualificados, como os engenheiros, até os menos qualificada, como pedreiros, serventes e mestres de obras. “Qualquer engenheiro que ganhava R$ 3 mil há quatro anos hoje ganha na faixa de R$ 10 mil a R$ 12 mil. O pessoal de obras antes ganhava R$ 1 mil hoje tira R$ 5 mil, R$ 6 mil”, diz Netto.

“Esse quadro completo de custos foi sendo transferido, até o momento, de uma forma direta para o comprador”, explicou Netto. O consumidor acompanhou nos últimos quatro anos esse aumento de preços, mas parece que chegou ao seu limite. “O mercado não suporta mais o aumento de preços, o comprador não quer e não vai pagar novos aumentos”, observa Netto.

Para confirmar essa tendência, Netto ainda citou dados sobre o mercado imobiliário de Miami, onde cerca de 20% dos negócios feitos por lá são de brasileiros. “O comprador usa seu dinheiro onde melhor interessar”, afirmou Netto.

Produtividade da construção civil
Apesar do difícil cenário da construção civil, Netto ainda vê saídas. A melhora da produtividade, por exemplo, seria uma delas. É preciso rever o modelo atual de produtividade, já que este leva em conta um custo baixo de mão de obra, o que não existe mais.

Permitir a abertura do mercado nacional para mais empresas estrangeiras, que comercializam materiais de construção, seria outra ajuda, já que aumentaria a concorrência e pressionaria os preços desse insumo para baixo.


Mais Notícias

  • Corretor de imóveis distante da tecnologia não terá futuro

  • MERCADO IMOBILIÁRIO: RAIO X DA CRISE E ALTERNATIVAS DE RETOMADA

  • Mercado de imóveis comerciais só se recupera em 2017, dizem analistas

  • Preço dos imóveis tem queda real pelo quinto mês seguido.

  • Qual banco escolher para financiar o imóvel?

  • Vale a pena antecipar parcelas do financiamento imobiliário?

  • Aumenta busca por imóveis próximos a universidades

  • Novela no condomínio: quem paga por infiltrações?

  • Oferta, demanda e preços de imóveis ficarão equilibrados em 2012.

  • Cresce 19% o ticket médio do consórcio de imóveis.

  • Como fazer da compra do imóvel um ótimo negócio.

  • Indenização justa por atraso de imóvel ficou mais distante.

  • Aluguel em novembro terá o menor reajuste do ano.

  • Feriado na praia: opções para aluguel começam em R$ 165.

  • As maiores altas nos imóveis em quatro capitais brasileiras.

  • Alugar imóvel em São Paulo fica 17% mais caro em um ano.

  • Antes de declarar imóvel no IR, consulte a MP do Bem.

  • Imóvel: conheça as 7 taxas abusivas e ilegais cobradas dos consumidores.

  • Preços de imóveis usados voltam a crescer.

  • Imóveis compactos apostam em funcionalidade e sofisticação.

  • Com preços do aluguel em alta, financiamento torna-se opção para alguns.

  • Campeões de vendas em SP têm 2 quartos e até 65 m².

  • O que você deve perguntar antes de comprar um imóvel.

  • Como é o maior projeto imobiliário de São Paulo.

  • 15 frases geniais de Steve Jobs.

  • São Paulo reajusta em 5,5% faixas de cálculo do IPTU.

  • Apple perdeu um gênio criativo e visionário, e o mundo perdeu um maravilhoso ser humano.

  • Locador pode transferir titularidade de contas, segundo projeto de lei.

  • Aluguel com aniversário em outubro/2011 subirá 7,46%.

  • Confira quanto custa viver em expoentes da arquitetura de SP

  • O que fazer quando o imóvel comprado é entregue com defeito.

  • Vai contratar financiamento imobiliário? Veja 10 dicas para evitar prejuízos.

  • 3 jeitos de economizar na compra de um imóvel.

  • Quando vale a pena alugar um imóvel mobiliado

  • Capitalização que é fiança locatícia chega a SP

  • FGV: IGP-M deve manter taxa de 0,65% em outubro

  • Construtora deve devolver todo dinheiro a quem desiste de imóvel

  • Banco é corresponsável por qualidade de imóvel, diz associação.

Total de Novidades na base de dados -1

 

 

 

 

 

• Home

• Busca Detalhada

• Participe!

• Fale conosco

• Quem Somos

• Política de Privacidade

• Termo de Uso

• Notícias

 

Portal Estilo Consulte Imovel © Copyright 2011, Todos os direitos reservados. portalestilo.com.br